- Imesc, em tempo recorde, produziu os laudos que resultaram nas indenizações das vítimas de Suzano

Nesta sexta-feira, 13 de Março, completa um ano a tragédia que ocorreu na cidade de Suzano, na Escola Raul Brasil, onde um ex-aluno e seu comparsa mataram a tiros cinco alunos e duas funcionárias e feriram outros 11 estudantes. Neste caso, o Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo - Imesc, órgão ligado à Secretaria da Justiça e Cidadania, desenvolveu um trabalho crucial que resultou, em tempo recorde, na indenização das 45 pessoas ligadas àquele momento de tensão. O governo do estado de São Paulo pagou a primeira pessoa em menos de 30 dias após o massacre, baseado em laudo do Imesc.
 
Na época, o convênio firmado com a Defensoria Pública previu a realização de perícias médico-legais e psiquiátricas e os laudos foram usados nos procedimentos extrajudiciais. Ao todo foram deslocados para a cidade de Suzano 11 profissionais, sendo nove médicos, um psicólogo e um assistente social do Imesc, além de um psicólogo do Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi), da Secretaria da Justiça.
 
Na ocasião, o superintendente do Imesc foi quem entregou todos os laudos à Defensoria Pública. Dr. João Gandini, lembrou que atendeu prontamente ao pedido do Governador. "Nosso corpo técnico, formado por médicos e peritos de extrema competência, realizou um trabalho de excelência. Foram laudos produzidos com responsabilidade e em tempo recorde", relembrou. "É impossível trazer a vida de volta, mas, por meio do nosso trabalho, o Estado tentou amenizar, dentro do possível, o sofrimento daqueles que perderam ou foram vítimas desta tragédia que marcou a vida de muita gente", relembrou o superintendente Dr. João Gandini.
 
Tiveram direito à reparação por danos morais os pais e os irmãos das vítimas e os filhos e maridos dos funcionários da Escola, além dos sobreviventes que ficaram feridos. Toda indenização foi paga conforme o grau de lesão que cada um sofreu, comprovado por meio dos laudos periciais expedidos pelos peritos do Imesc.
 
Além das indenizações, o Governo de São Paulo também propôs atendimento psicológico, por mais dois anos, aos atingidos, neste que foi um episódio lamentável dentro de uma Escola Pública do Estado de São Paulo.

Compartilhe esta notícia: