Perícias judiciais - Imesc promove mutirão de perícias judiciais de curatela e interdição

Laudos produzidos pelo órgão auxiliam juízes em processos onde pessoas sejam total ou parcialmente incapazes de administrar seus bens

 

 

Vinte e quatro minutos foi o tempo que levou para a entrevista e perícia de dona Maria, de 74 anos, ser efetuada.

Acompanhada pela filha, a dona de casa, Luciana dos Santos, ambas vieram de Itaquaquecetuba para serem atendidas pelo mutirão de perícias de curatela e interdição judicial promovido pelo Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc) nesta sexta-feira (28/06).

Ao total, foram 650 perícias agendadas com a presença de mais de 2.000 pessoas à sede do Imesc. Para atender esse contingente, o órgão contou uma equipe de 20 médicos, além de psicólogos e assistentes sociais.

Os laudos, produzidos pelos peritos, têm como função auxiliar os juízes em processos onde as pessoas sejam total ou parcialmente incapazes de administrar seus bens.

De acordo com o superintendente do Imesc, João Gandini, esse é o maior mutirão já realizado. “Essa é uma das metas do Imesc. Queremos, até setembro, realizar todos os exames que estão em atraso e zerar essa fila”, explicou.

A aposentada, Zenite Carneiro, acompanhada da neta, Letícia Silva, veio de Guarulhos para fazer a perícida dona Amélia, de 90 anos, e aprovou o atendimento. “O médico foi excelente, gostei bastante. Foram seis meses de espera e com esse mutirão, acredito que o processo será resolvido logo. É só esperar o parecer do juiz”, comentou.

O médico-perito, Élcio Rodrigues da Silva, destaca ainda que o foco dos atendimentos é a agilidade. “Por meio do mutirão, ganhamos tempo e poderemos processar os casos mais emergenciais. A perícia, nesses casos, é uma proteção para o indivíduo”, destaca.

A dona de casa, Terezinha de Jesus dos Santos, trouxe a dona Catarina, de 74 anos e que possui a doença de Alzheimer, e destacou a humanidade no atendimento. “Os médicos vieram até o carro fazer a perícia, pois ela não consegue mais se locomover. Foi algo me surpreendeu”, disse.

O superintendente do Imesc, João Gandini, destaca ainda que o órgão deve levar esse tipo de ação para mais cidades. “Queremos descentralizar o atendimento. Então, teremos mutirões no interior. O próximo será em Bauru, no mês de agosto, seguido por um em Ribeirão Preto e assim por diante, pegando cidades-chaves para facilitar o deslocamento da população”, concluiu.

 

                                                             

 

                                           

                                                        

                       

                        

                                                  

Compartilhe esta notícia: